quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Ex Drummer - Koen Mortier 2007


Alucinante, violento, indigesto e perturbador, Ex-Drummer, filme do diretor flamengo Koen Mortier baseado em novela homônima de Herman Brusselmans é um filme singular, capaz de conciliar sentimentos extremos em quem assiste. Eu por exemplo, enchi-me de repugnância e deleite ao acompanhar a epopeia de banda punk formada por deficientes, que está à procura de um baterista para tocar em um concerto.

O conjunto é formado pelo vocalista de língua presa Koen. Um sádico viciado em sexo que tem como hobby espancar e violentar mulheres. Jan, o baixista gay, tem um problema no braço. Ele não consegue dobrá-lo. O guitarrista Ivan tem uma surdez psicológica, e, apesar de ser um junk inveterado e de tratar sua mulher e filha como merda é, aparentemente, o mais “normal” do bando e todos moram em subúrbio imundo da Bélgica.


Do outro lado da cidade, em um bairro de alto padrão vive Dries, um escritor de sucesso, casado com uma mulher lindíssima e chegada num sexo a três. Dries atravessa uma crise criativa e, apesar de tocar nenhum instrumento, aceita ser baterista da banda, pois vê nessa associação a chance de achar inspiração para voltar a escrever. À medida que o livro de Dries vai avançando ele fica obcecado com a história e começa a manipular os outros integrantes da banda provocando os seus piores instintos.


Koen Mortier dá um show de direção. Destaque para a montagem delirante que, em alguns momentos vem de “trás para frente” desafiando a ordem cronológica do filme. A Câmera do diretor também abusa dos movimentos deixando tudo lisérgico, anticonvencional e frenético. O roteiro também é um ponto alto do filme, passeia pelo inferno desses personagens, cheio de diálogos instigantes, situações delirantes embalados a muito Rock and Roll, Drogas e ultraviolência.



Por fim Ex-drummer é filme que estuda a miséria humana sem demagogia, sem levantar bandeiras e sem ser moralista. Talvez este seja seu principal trunfo. Apontar os mecanismos do sistema que deixam os marginais mais a excluídos da sociedade. Um filme para ser visto e revisto com muito amor.

Um comentário:

  1. Esse eu ainda não vi, meu lindo...Será que eu aguento mais uma indigestão???rsrs

    Esse seu jeito de escrever...deixa a nós, leitores, muito curiosos!

    Beijos deliciosos, amor!

    ResponderExcluir