sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Lou Reed – Berlin (1973)





“Só há duas tragédias na vida: uma é não se conseguir o que se quer, a outra é consegui-lo." – Oscar Wilde.

O aforismo genial acima ilustra bem o que se passava com Lou Reed no ano de 1973.
O músico norte-americano havia lançado o que para muitos sua obra-prima, Transformer (1972), disco excepcional aclamado por público e crítica e estava, enfim, de paz com o mundo. No entanto, “há duas tragédias para um homem”...


Insatisfeito por sua imagem estar fortemente associada à de David Bowie (Que havia produzido seu álbum anterior), deprimido por seu casamento com Bettye Kronstad de estar definhando em sua frente e furioso pelas pressões que RCA, sua gravadora, faziam para que ele fizesse outro disco tão rentável quanto o anterior, Reed resolveu seguir um caminho mais complicado. Resolveu fazer Berlin, um disco temático, levemente autobiográfico, que contava a história de um casal de junkies, autodestrutivos, violentos e suicidas nas ruas de Berlin.


É claro que o álbum comercialmente foi um fracasso, mas artisticamente foi sensacional. Por um lado quase enterrou a carreira de Reed (novamente), por outro, esse disco é um dos mais influentes da história do Rock. O disco é perfeito desde o primeiro segundo da primeira música até o último segundo da última. Musicalmente é calmo cheio de melodias delicadas, mas suas letras são puro terror, cantadas com um delicado niilismo e fúria.

Abaixo, "Caroline Says"  em trecho do filme Berlin, dirigido por Julian Schnabel em 2007.





Um comentário:

  1. Ai,amor...que música linda!!!
    Fiquei emocionada...Você tem o dom de tornar meus dias mais lindos!

    Te amo, cada vez mais e mais...

    ResponderExcluir