quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Irei Como um Cavalo Louco (J'irai comme un cheval fou) - Fernando Arrabal


Quando se pensa em arte, o nome de Fernando Arrabal é uma das mais fortes e influentes grifes. O espanhol é uma verdadeira lenda: Poeta, novelista, cineasta e dramaturgo que artisticamente primava pelo radicalismo e pela controvérsia, mas, paradoxalmente, de reconhecido sucesso (ele é, simplesmente, o artista espanhol mais encenado no mundo, além dos diversos prêmios conquistados pelo planeta afora), além de toda importância histórica que lhe é imputada, por ter participado efetivamente do grupo surrealista e ter criado, junto com Jodorowski, o movimento artístico denominado “Grupo Pânico”.

No cinema, Arrabal deu também as suas pauladas. Fez sete filmes cujo mais importante e mais famoso é “Irei Como um Cavalo Louco” (J'irai comme un cheval fou)-França/1973. O filme, como comum na obra do espanhol, é um completo, furioso e brutal ataque à lógica e aos bons costumes da sociedade ocidental, e narra de maneira alegórica a história de Aden (George Shannon), um homem que foge da sociedade depois da morte de sua castradora mãe. Em um deserto, conhece Marvek, um selvagem que consegue se comunicar com a natureza (animais, Sol e nuvens) e tornam-se amigos inseparáveis. De volta à sociedade, a dupla faz uma dura e desafiadora caminhada dentro da boçalidade das instituições ocidentais.

Escatológico, terrível, cruel e surreal são apenas alguns possíveis adjetivos que “Irei como um cavalo louco” despertam nos olhos de quem vê o filme. Não é para todos os gostos, mas se você está cansado de ver filmes que de tão industrializados quase não respiram e repetem sempre as mesmas situações e personagens, vale a pena dar uma passeada pelo mundo delirante, terrível e belo de Arrabal.

2 comentários:

  1. Boa dica Eraserhead, conheço três poemas críticos e saudosistas de Fernando Arrabal, Soneto De Amor Y Odio A España I e II e Tesoros De La España De Hoy. Parceiro de Jodorowsky! Surrealista! Não precisa nem me perguntar se vou buscar seus filmes.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Vi o filme com uma visão vanguardista e adorei. Aliás adoro os filmes de ARRABEL

    ResponderExcluir