quinta-feira, 18 de março de 2010

André Lhote

"Tradição é o que resiste a todas as épocas e aos trejeitos, maneirismos e afetações de todos os tipos, são os valores que eu nomeio, por falta de melhor termo, invariants plastiques, de que certo coeficiente é necessário à vida da obra."

André Lhote (1885 - Bordeaux, França / 1962 - Paris, França), foi um pintor, escultor e teórico francês que fez parte do cubismo.
Suas primeiras obras sofreram forte influência das cores fortes e dos traços simples do Fauvismo. Apreciava principalmente Gauguin e Cézanne.

Aderiu ao cubismo em 1911 e fez parte do famoso Salão da Section d’Or em outubro 1912 ao lado de Jacques Villon, Marcel Duchamp, Albert Gleizes e Francis Picabia, alguns dos maiores representantes das mais modernas e heterodoxas tendências artísticas.

Tematicamente, retratava cenas cotidianas, retratos, naturezas-mortas e mitologia e estilisticamente, utilizava todo o radicalismo e modernidade do cubismo sem abrir mão da tradição pictórica.




Um comentário:

  1. Ameeeeeiii!!!
    Um cubismo delicado...digestivo...melhor ainda...deliciosamente saboroso!
    Os nomes mais expressivos que perdoem essa pobre alma que sou eu...mas sou mais Lhote que os outros,apesar de todo meu respeito e admiração pelos mesmos.

    Lindo demais,amor...não é a minha cara???rsrsrs

    Beijinhos aos montes!!!

    ResponderExcluir