terça-feira, 3 de novembro de 2009

Perseguição (2009)



Patrice Chéreau é um realizador irregular. Para cada filme bom que assina o diretor, roteirista e ator francês - A Rainha Margot “La Reine Margot” (1994) e Gabrielle (2005) - finaliza outros menos inspirados e de menos valor artístico –Intimidade “Intimancy” (2001) e Seu Irmão “Son Fere” (2003).
Perseguição “Persecution” (2009), seu mais recente trabalho, infelizmente, encontra-se junto aos dois últimos citados.

O filme, que tem uma sinopse interessante, narra de maneira seca e amarga o relacionamento de Daniel (Romain Duris, fraquinho, fraquinho...), um homem de 35 anos que não tem um emprego fixo e vive de bicos, e de Sonia(Charlotte Gainsbourg, decepcionante), uma mulher bem empregada que viaja muito a negócios. O relacionamento dos dois não vai bem por conta da falta de comunicação entre o casal e chega ao limite quando aparece uma personagem sem nome, apenas conhecida como “o louco”, dignamente interpretado por Jean-Hughes Anglade, que se apaixona por Daniel e passa a persegui-lo.

O espectro das relações humanas é um material excelente para contar histórias, mas nas mãos de Chéreau caem na famosa “vala dos lugares comuns”. Daniel é o estereótipo de homem sensível que por baixo da aparência rude e do comportamento anti-social, reside um poço de boas intenções. Sonia também não apresenta grandes virtudes como personagem. E a famosa representação da mulher voltada para carreira que esquece da vida pessoal. Somente a personagem de Anglade apresenta um frescor curioso e original, mas é pouco para segurar o filme.

Repleto de diálogos longos e pseudocabeças, que saem do nada e vão a lugar nenhum. O filme é uma promessa que não se cumpre: Você passa o filme todo esperando acontecer alguma coisa e nada.

2 comentários:

  1. Talvez a única e questionável qualidade do filme,tenha sido o "dom" de mexer na ferida aberta da sociedade em nossos dias...a solidão.Aquilo que chamo de buraco na alma...E isso é feito com uma crueldade tamanha, que teve o poder de me fazer deixar o cinema deprimida...
    Mas...sorte a minha de ter o privilégio de estar na companhia do meu amado...que me aconchegou em seus braços e me resgatou para o colorido da nossa vida a dois!

    Amor,aquele foi O abraço da minha vida!
    Beijos de total entrega...sempre em seus braços!

    ResponderExcluir
  2. Gambs,
    Você tem razão: eita filme deprê!
    Embora isso não ter afetado o meu julgamento, pois eu simplesmente não gostei do aritificilismo da trama e das persoagens.
    Eu ficava esperando e nada acontecia.
    enfim...

    Ah, meu amor...o abraço foi puro e sincero!
    E tem muito mais de onde veio esse!

    Beijos fecha buraco na alma para você, minha linda!

    ResponderExcluir