quinta-feira, 23 de julho de 2009

Luis Buñuel - Quando Fomos Para a Cama

trad. de mário cesariny

Os resíduos de estrela que ficaram entre os seus
cabelos
crocitavam como cascas de amendoins
a estrela cuja luz tu descobriste
há um milhão de anos já
no mesmo instante em que era dado à luz
um diminuto menino chinês.


«Os chinas são os únicos que não temem
os fantasmas
que nos saem da pele todas as noites.»


Lástima é que a estrela
não tivesse sabido fecundar teu seio
e que o pássaro da lamparina de azeite
a bicasse como casca de amendoim
o teu e o meu olhar
deixaram-te no ventre
um signo futuro de luminosa multiplicação.

3 comentários:

  1. Meu Deus...que lindo...estou arrepiada!

    Amor...
    Amar...viver.

    Beijos apaixonados...

    ResponderExcluir
  2. Gambs, minha doce moça:

    Eu vivo arrepiado nos úlitmos meses!

    Beijos exagerados, mas delicados.

    ResponderExcluir
  3. Hummm...lindo...e cada vez melhor!Uuuuiii...

    ResponderExcluir