quarta-feira, 1 de julho de 2009

Donnie Darko - 2001

Anos 80. Em uma simpática cidadezinha americana, onde o “american way of live" é vivido e praticado por seus habitantes em cada manhã.
Vemos uma típica família de propaganda de margarina. A mãe já esta bem vestida fazendo aquele break fast dos vencedores cheio de gordura e calorias, o pai lê o jornal e discute política com a filha mais velha. Ele é conservador e ela é liberal como manda a cartilha da guerra das gerações. A filha mais nova desenha enquanto come alguma coisa, mas... Espere! Tem alguma coisa errada naquela família! O filho do meio não é normal!

Ele não é o atleta da escola ou o nerd afastado. O rapaz tem umas visões muito estranhas. Vê e fala com Frank, um coelho gigante que lhe diz que o mundo terminará dentro de 28 dias, 6 horas, 42 minutos e 12 segundos, ou seja, na noite de Halloween, a 30 de Outubro de 1988. O coelho ainda o exitiga a cometer diversos atos de vandalismo contra instituições tradicionais.
Esse é o mote de Donnie Darko, Cult-movie escrito e dirigido pelo estreante Richard Kelly em 2001.

Misto de ficção-cientifica, drama e comédia, mostra o rebelde Donnie Darko (Jake Gyllenhaal, excelente), garoto excêntrico que apresenta uma crescente esquizofrenia e conhecemos suas alucinações. Quando sua vida é salva por um desses delírios, a verdadeira natureza da sua loucura passa a ser questionada.

O Filme que tem uma narrativa até certo ponto ordenada e linear, mas pela complexidade de suas camadas interpretativas, alcançou um fascínio monumental e uma legião de fãs. É comum ver na internet Fóruns discutindo o sentido do filme ou blogs e afins apresentando suas teorias mirabolantes para a explicação da história do filme.

Os méritos do filme são imensos. A começar pela inventividade do roteiro e sua capacidade de dar coesão a uma trama intrincada cheia interpretações e possibilidades. Os diálogos também são excelentes, vão de cultura pop (quem viu, vai lembrar-se da discussão sobre o sexo dos Smurfs) até os buracos de minhoca quânticos. O roteiro ainda entra em temas cabeludos como sentido da vida, existência e fala sobre as durezas da adolescência. O argumento ainda faz uma crítica aos aspectos morais aceitos pela sociedade, questiona a escola e a família enquanto instituições.

As interpretações do filme também são muito boas, desta que Magie Gyllenhaal que interpreta a irmã do protagonista Elizabeth, para Jena Malone (Gretchen Ross) namoradinha de Donnie e para a de Patrick Swayze que dá corpo a um palestrante motivacional que tem um terrível segredo.

A Trilha sonora então e nota dez! Duran-duran, Echo and bannymem, Joy Division, The Church, Tear For Fears, Inxs, Oingo-Boingo entre outras... Resumindo, para uma pessoa que como eu, curtiu a adolescência na virada dos anos 80 para os 90, uma viagem no tempo!

Filmão!

Algumas cenas do filme




The Church - Under The Milky Way
Under The Milky Way

Nenhum comentário:

Postar um comentário