quarta-feira, 3 de junho de 2009

Echo & the Bannymen - Ocean Rain


"at sea again
And now my hurricanes have brought down this ocean rain
To bathe me again"
Ocean rain

Dia 13 desse mês, o astronauta da NASA Timothy Kopra vai levar para o espaço uma cópia de "Ocean Rain", seu disco predileto, e a obra prima da banda britânica "Echo and the Banymem". Estratégia de marketing ou não(duvido que o Echo tenha bala para tal manobra), trata-se de uma justa homenagem, pois é sem duvidas um dos grandes álbuns da história do rock.

Lançado em abril de 1984(putz, há 25 anos! to ficando velho mesmo...) o disco foi recheado de polêmicas. a começar pelo comentário de Ian McCullouch " É o maior albume já feito" em um ataque incontrolável de modéstia.

Outra polêmica eram os frequentes quebra-paus entre os membros, principalmente Sargeant e McCullouch, os principais compositores da banda, onde o bcterista Pete de Freitas foi de suma importância fazendo as conciliações.

Em um repente de estrelismo, McCullouch exigiu da gravadora ir a Paris, no estúdio Des Dames, que o "Style Concil" havia gravado o "Café Beu" para iniciar as gravações e para aproveitar o clima inspirador da cidade luz.

Reza a lenda que o nosso amigo, não participou de uma gravação completa. Ian fazia prefira outras atividades como longos passeios de bicicleta e muita, mas muita boemia e quando resolvia aparecer no estúdio estava em estado de "goma" como diria um amigo meu. Ian gravou os vocais todos depois, já nas terras da rainha.

Um álbum que contém a matadora Killing Moon, já seria dingo de nota, afinal, trata-se uma da melhores canções feitas e um dos hinos do pós-punk dos anos 80, mas disco contém ainda músicas como "Silver", "Crystal Days"," Seven Seas", "My Kingdom" e "Ocean Rain", quase todas orquestradas e arranjadas magnificamente, porém, sem deixar de lado o som característico e habitual da banda: suas melodias melancólicas aliada aos riffis animalescos da guitarra de Sargeant.

A produção do disco e do Gil Norton, que anos depois produzira outra obra-prima do rock, doolittle do Pixies, certamente, também contribuiu para a criação da sonoridade diferenciada do disco.

Um álbum tão bonito que até doi de ouvir. E o Sr. Ian "fanfarrão" McCullouch só errou em número quando disse que esse era o melhor disco de todos os tempo Se ele coloca-se no plural a frase, teria acertado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário