sexta-feira, 12 de junho de 2009

Caramelo (Sukkar Bannat, 2007)



A diretora, roteirista e atriz libanesa Nadine Labaki parecia ter na cabeça a famosa dica do escritor russo Leon Tolstoi: "Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia.", quando realizou o seu filme Caramelo em 2007. Nesse filme, Nadine passeia pelo universo feminino expondo os problemas cotidianos de um grupo de mulheres em Beirute, mas que podia muito bem se passar em qualquer pais do ocidente.

O filme deixa de lado os aspectos políticos e bélicos que vêem afetando o país nos últimos séculos para focar nos problemas amorosos e comportamentais de um grupo de mulheres, que em comum tem o fato de: ou trabalharem ou frequentarem um salão de beleza, onde as depilações são feitas à base de um creme de caramelo (dai o título do filme).

Com um humor sutil, muita sensualidade e uma carga dramática comovente e bem acabada, o filme narra os dramas pessoais de cinco personagens: Layale (a própria diretora, lindíssima) dona do salão e amante de um homem casado, a cabeleireira faz de tudo para encontrá-lo, mesmo o homem estando cada vez mais distante dela; Nisrine (Yasmine Elmasri), uma mulher que trabalha no salão e está prestes a se casar, ela não é mais virgem e não sabe como reagir com essa situação perante o noivo; Rima (Joanna Moukarzel), que também trabalha no salão e sente atração por mulheres; Jamale (Gisèle Aouad) uma cliente assídua do salão e é uma mulher de meia idade que procura esconder, das amigas e dela mesma, que já se encontra na menopausa; Rose (Sihame Haddad), uma costureira e vizinha do salão, uma mulher já de idade que não tem coragem suficiente para se encontrar com um inesperado pretendente a namorado.

Outros aspectos elogiáveis do filme são o tratamento que a diretora dá às diferenças religiosas - No filme convivem harmoniosamente muçulmanos e cristãos- a trilha sonora exótica divertida e o trabalho de direção de atores. Ao optar por não usar atores profissionais no filme, Labaki conseguiu extrair interpretações convincentes e naturais.

Um filme doce e açucarado e o nome lhe faz jus. Tem tudo para agradar os mais sensíveis. Belo filme!





2 comentários:

  1. Lilililiiiiiiiii!!!!!!!!!

    Maravilhoso!A delicadeza do filme é incrível!A beleza das mulheres libanesas é lindamente retratada.

    Amei...o filme,a companhia,o resultado final de ambas histórias...Hummm...Apaixonante.

    ResponderExcluir
  2. O filme foi bom mesmo, mas a Companhia foi muito melhor!!!

    Bjs

    ResponderExcluir