sexta-feira, 29 de maio de 2009

O Cão Andaluz


Prólogo

"Era uma vez...
Um balcão de noite. Um homem afia sua navalha junto do balcão. O homem olha o céu através dos vidros e vê...
Uma nuvem clara avançando para a lua cheia.
Depois, uma cabeça de moça, de olhos arregalados. A lâmina da navalha dirige-se para um dos olhos dela.
Agora a nuvem passa pela lua.
A lâmina da navalha atravessa o olho da moça, seccionando-o."


Esse é prólogo do argumento original do filme, filme, não, da "experiência mental", escrita pelo andaluz Luís Buñuel e pelo catão Salvador Dalí chamada "Um Cão Andaluz".

Em aproximadamente 17 minutos, os realizadores, sem uma trama definida ou uma linha linear lógica, descontroem a jovem, porém, já estruturada linguagem cinematográfica. Como também atacam todas as instituições morais e estéticas. Imagens sobre-postas de sonhos distorcidos, Freud, Goya e Sade batidos, misturados e prontos para serem servidos.

Provocador, inconformista, radical, irônico, amoral e onírico, violento, erótico, insano e perturbador. Tudo isso e mais um pouco. Um filme(Experiência Mental, já disse) que grita: liberdade e criatividade, por trás das amarras do bom senso e do real. E ainda hoje, 80 anos depois, guarda o gosto da novidade.

7 comentários:

  1. Buñuel e Dalí andavam por uma estradinha na Catalunha, discutindo como fariam para filmar o olho sendo cortado pela lâmina. Em meio à conversa, viram o cadáver de um cavalo morto à beira da estrada. Impressionados com a semelhança do olho do animal com o humano, deceparam o cadáver e levaram a cabeça do cavalo morto para a filmagem...

    ResponderExcluir
  2. Deus é Pai!E que me guarde de assistir a algo assim!...rsrsrs...Assustador!

    ResponderExcluir
  3. Caramba edu, não conhecia essa história...
    Será que usaram o olho do bicho na filmagem?

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Que é isso gambs... so por causa de um olhinho cortado (rsss).

    Falando sério, pensando em como o mundo está violento e o quanto está banalizada a selvageria, faz todo sentido seu comentário. Mas o filme usa esse ato violento com o sentido de perturbar o bom gosto, o convencional e o bem aceito na época.
    Não é uma apologia a violência e sim um artifício meramente estético.

    Se um dia quiseres ver, te empresto, pois tenho o DVD.

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  5. Olha,Eraser,vou tentar um preparo psicológico prévio,antes de aceitar sua oferta...rsrs...

    De qualquer forma,o conteúdo do seu blog é muito bacana!Sempre surpreendente,riquíssimo e atemporal!

    Bjs e obrigada por acolher minhas opiniões.

    ResponderExcluir
  6. UAU!! Deu vontade de ver já! Vi pouco Buñuel, infelizmente, mas o pouco que conheço me toca profundamente! bom, sempre é tempo..

    *texto ótimo!

    **e obrigada por comentar lá no mint!

    ResponderExcluir
  7. UAU! Deu vontade de ver já! Vi pouco Buñuel, infelizmente, mas o pouco que conheço me toca profundamente! Bom, sempre é tempo..

    *texto ótimo!

    **e obrigada por comentar lá no mint!

    ResponderExcluir