quinta-feira, 30 de abril de 2009

Murilo Mendes

Poemas (1930)

O Mundo Inimigo

O cavalo mecânico arrebata o manequim pensativo
que invade a sombra das casas no espaço elástico.
Ao sinal do sonho a vida move direitinho as estátuas
que retomam seu lugar na série do planeta.
Os homens largam a ação na paisagem elementar
e invocam os pesadelos de mármore na beira do infinito.
Os fantasmas vibram mensagens de outra luz nos olhos,
expulsam o sol do espaço e se instalam no mundo.

2 comentários:

  1. Fiquei com uma péssima impressão do Murilo Mendes por causa do Camus. No seu "Diário de Viagem", que relata sua presença no Brasil (Camus esteve em São Paulo, Rio e em Belo Horizonte), o argelino diz que Murilo tentou impressioná-lo com seus conhecimentos... de poesia francesa!

    ResponderExcluir
  2. Puxa Edu, posso estar sendo enganado pela memórias, mas pelo que lembro Camus disse que: “Murilo era um dos dois ou três que lhe chamaram a atenção”, além de terem tido uma relação de amizade por anos, segundo algumas biografias.

    Eu lembro de algo a respeito de Camus sentir afinidade a Murilo por gostarem da obra do poeta francês René Char, e não ao contrário como você afirmou, mas como faz muitos anos que li o diário de viagem não estou seguro para contestar sua informação.

    Polêmicas à parte, são dois escritores maravilhosos e genias. cada um em seu estilo e com sua temática escreveram o nome no mundo das letras com propriedade.

    Grande abraço,

    ResponderExcluir