terça-feira, 7 de abril de 2009

Gustave Doré

Auto retrato 1872

Eu tive contato com as ilustrações de Paul Gustave Doré (Estrasburgo 1832/Paris 1883) pela primeira vez há uns quinze ou dezesseis anos, quando um amigo me emprestou uma edição antiga, mas caprichosa em prosa do "Paraíso Perdido" do Milton(eu ainda devolvo Edu, um dia).
Eu ia tomando contato com a narrativa e ficava impressionado com a força das ilustrações, eram tão detalhadas que chegavam a me hipnotizar. Ricas em detalhes e com uma carga dramática elevada eram a perfeita tradução em imagens do épico de Milton.

Doré ilustrou seu primeiro livro com treze anos, o álbum "Les travaux d'Hercule" (Os Trabalhos de Hércules). Aos quinze passou a fazer caricaturas para um jornal local e depois vieram as contribuições que lhe fariam a fama, as ilustrações de clássicos a literatura. A Divina Comédia de Dante Alighieri, O Paraíso Perdido de John Milton, O Corvo de Edgar Alan Poe , As Fábulas de La Fontaine, a Bíblia e sua Obra-Prima: Dom Quixote de Miguel de Cervantes. Doré conseguiu um resultado perfeito nessa obra, uma síntese da imagem e da palavra deu formas ao fidalgo e ao seu fiel escudeiros, que ainda hoje permanecem vivas no imaginário popular.

A técnica para gravuras utilizada por Doré consistia em desenho entalhados em uma matriz de madeira, depois, com o auxílio de um profissional, era feito o trabalho de impressão com a tinta, razão essa para a maioria dos desenhos possuir duas assinaturas uma do ilustrador e outra do gravador.

Mais que um mero ilustrador, Doré foi um tradutor de palavras em imagens. Seu estilo artístico é inspirado na figura humana clássica greco-romana, é carregado de poesia e drama que mostram uma força de expressões e gestos humanos dificilmente reproduzidas por outro artista, criava estonteantes jogos de luz e sombra que contribuíram com o elemento fantástico das suas ilustrações que conflitavam com estética realista e objetiva daquela época.

Cinderella

O Corvo














O Paraíso Perdido



A Divina Comédia











A Bíblia




Chapeuzinho Vermelho

Dom Quixote



Cruzadas

5 comentários:

  1. Para melhorar, não para criticar: ChapeUzinho Vermelho e CruZadas, ok?

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pela ajuda sr ou sr anônimo...


    abraço

    ResponderExcluir
  3. Ótimo blog.
    Gosto muito das gravuras do Gustave Doré, assim como a de outros artistas também, acabei conseguindo aqui algumas gravuras que não tinha ainda.
    Obrigado mesmo, se eu puder colaborar de alguma forma, tenho alguns livros de artes com maravilhosas pinturas.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, anônimo.

    Aceito a ajuda. Deixa seu e-mail para vermos se fazemos uma colaboração em algum post.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Também admiro muito esse artista. Tenho em minha biblioteca A Divina Comédia, Paraíso Perdido e Gargântua. Pretendo comprar outros livros ilustrados pelo mesmo.

    ResponderExcluir