segunda-feira, 30 de março de 2009

A Piada Mortal - Alan Moore e Brian Bolland


Pegando uma carona na recente premiação póstuma de Heath Ledger no Oscar 2009 interpretando o Coringa no mais recente filme da franquia" Batman, a Panini relança a Piada Mortal de Alan Moore e Brian Bolland de 1988.

A piada mortal é possivelmente uma das melhores histórias do Batman ao lado do Asilo Arkhan e do Cavaleiro das Trevas. Marcou época, e continua sendo cultuada por fãs de ontem e de hoje que se rendem ao tratamento adulto e original que Moore impõe aos heróis de histórias em quadrinhos.

Na trama, vemos um coringa no auge da sua psicopatia, cheio de brutalidade e insanidade, capaz de tudo para provar que basta um dia ruim para transformar qualquer pessoa, por mais sã que seja, em um louco apto a cometer os piores crimes possíveis. E o palhaço do crime põe para quebrar, sequestra e paralisa a filha do Comissário Gordon, tortura psicologicamente esse para corrompê-lo, porém, fracassa nesse teste. O Chefe da polícia não enlouquece como o vilão previa, diferente do Batman que sai caçando o seu antagonista com uma ferocidade comum aos loucos e mostra que apesar de opostos, o Cavaleiro das Trevas e seu rival estão mergulhados na loucura e são produtos desse "dia ruim".

Paralelamente, vemos em Flash Back a origem do Coringa, seu dia ruim e o motivo do ódio que ele nutre pelo Batman, e apesar da Graphic Novel ser intitulada "Batmam- A Piada Morta", quem brilha é o vilão sorridente de cabelos verdes.

A Arte de Bollard brinca bem com o jogo de sombra e luz dando um clima soturno e harmonizando bem com a história, mas é o roteiro magistral de Alan Moore que está a força da HQ. Aqui o roteirista dá sequência a revolução que impôs ao gênero em Watchmen anos antes, aqui ele transforma duas das personagens mais populares dos quadrinhos, terminando com o estigma maniqueísta tão presente nas histórias de heróis e perfis psicológicos bem delineados.

Com um final memorável e original que sintetiza toda a trama, "A Piada Mortal" é um clássico dos quadrinhos contemporâneos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário