sexta-feira, 6 de março de 2009

Iberê Camargo


"O pintor é o mágico que imobiliza o tempo." - Iberê Camargo

Iberê Camargo foi um dos mais importantes artistas brasileiros do século passado. Nascido em Restinga Seca(RS) em 1914 e falecido em 1994 em Porto Alegre (RS). Pintor, desenhista e gravador, foi um artista original e contestador não se rendendo a academismos e modismos, seguiu seu caminho em busca de um estilo próprio.

Em 1942 troca as aulas de Escola Nacional de Belas Artes pelas do pintor Guignard de quem torna-se aluno, embora esse tenha apenas levemente influenciado sua obra. Em 1947 recebe um "Prêmio Viagem ao Estrangeiro" do Salão Nacional de Belas Artes passa três anos na Europa, onde tem aulas com Mestres com Giorgio de Chirico na Itália e André Lhote na França.

Iberê teve sua obra exibida em exposições de renome internacional, como as bienais de São Paulo, Veneza, Tóquio e Madrid, além de integrar diversas mostras no Brasil e no exterior, em países como França, Inglaterra, Estados Unidos, Escócia, Espanha e Itália.

Observam-se em sua obra três fases distintas: na primeira abraça uma perspectiva figurativista e naturalista com cores vivas na qual se destaca o quadro " A vista da Lapa" o qual ganhou o prêmio acima mencionado; na segunda fase destaca-se um abandono do figurativismo, suas telas possuem um fundo escura onde explodiam cores em texturas pastosas e volumosas; e a terceira, uma fase mais intimista a qual expurga todos seus sofrimento e sua desesperança, a aproximação da morte, a solidão e um trágico incidente que aconteceu na década de oitenta, o qual matou um homem e chegou a ser preso por isso, influenciam seu trabalho onde figuras disformes e grosseiras em cores sóbrias povoam seus quadros ao mesmo tempo em que alcança sua maturidade como pintor.

Iberê Camarago é meu pintor nacional preferido.

"O drama, trago-o na alma. A minha pintura, sombria, dramática, suja, corresponde à verdade mais profunda que habita no íntimo de uma burguesia que cobre a miséria do dia-a-dia com o colorido das orgias e da alienação do povo. Não faço mortalha colorida." - Iberê Camargo


Carretéis 1927


Paisagem Suburbana 1949


Carretéis 1958


Pintura II 1966

No Vento E Na Terra II 1982


Sem Título 1986



Série dos Manequins 1986


O Ciclista 1989


Motociclistas 1989


As Idiotas 1991


A Idiota 1991

9 comentários:

  1. Como pode-se não adimirar obras de tamanha dimensão, em sencibilidade , cores e formas perfeitas ao seu mundo magico .

    ResponderExcluir
  2. Adoramos as obras e a historia de vida Ibere as dele pintar sao magnificamente belas de deixar qualquer um com vontade de pintar.........

    ResponderExcluir
  3. Carin e Natália,
    Obrigado pela visita e pelos comentários.
    A Obra de Iberê é realmente maravilhosa, suas palavras todas dimensionaram muito bem isso!

    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Gambs,
    que blog formidável. Pena que sem atualização, daí te escrevo, não sei se me lês, e ler o outro é fundamental. Muita boa a escolha de Iberê, a seleção de obras, o publico Um Homem Valente- Fricções- narrativa com que ganhei a bolsa Vitae. Espero ter você como leitora.
    Um ramo de fortes tintas,
    Nilma lacerda
    nilmalacerda@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por sua visita e seu comentário,Nilma.Sucesso.

    ResponderExcluir
  6. Tive a sorte de conhecer pessoalmente o grande mestre em 1993. Também considero Iberê o meu artista brasileiro favorito e um dos 10 maiores pintores de todos os tempos.

    ResponderExcluir
  7. isso é uma porcaria

    ResponderExcluir
  8. obras ridiculas nada a ve
    ate eu pinto melhor
    isso nao vale nem 10 reais eo q vale 10 reais é a tela pra pinta nao o desenho

    ResponderExcluir
  9. Acho ridículo este pessoal sem cultura comentando que as obras são ridículas... Diz que pinta melhor, mas não tem nem a capacidade de mostrar a cara...
    Estou utilizando seu blog como referência em um trabalho da faculdade referente a pintores brasileiros que influenciaram no movimento abstracionista.
    Ótimo post.

    ResponderExcluir