quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Who Watches the Watchers?


Estou empolgado com 2009.

Fora alguns projetos pessoais que tirei da gaveta, vou ver o Radiohead e Kraftwerk, duas das bandas que mais gosto, com grandes amigos que tinha perdido contato. Acho que nem as presenças do chatíssimo Los Hermanos e do enigmático Vangart podem estragar a noite.

Mas esse post não vai ser sobre música, nem sobre as coisas que vou fazer esse ano. Vai ser sobre outro acontecimento que está me fazendo contar o tempo e me enchendo de expectativas. O lançamento do filme Watchmem.
Watchmem, para quem não sabe, é considerada a melhor História em quadrinhos já feita. O "Cidadão Kane" dos quadrinhos, como frequentemente é chamado.E dai?
Todos os anos vemos lançamentos de filmes baseados em quadrinhos, e frequentemente são considerados inferiores aos originais. Eu mesmo não gosto da maioria dessas adaptações.

Mas três coisas merecem ser comentadas em defesa dessa minha empolgação:
1- Trata-se Watchmem, uma obra perfeita. Se for filmada quadro a quadro já será ótimo, ou seja, é difícil fazer cagada com uma preciosidade dessas.
2-O diretor Zac Snyder é um cara promissor. Ele dirigiu o ótimo "A madrugada dos mortos" e o meia-boca "300".
3-O mais importante. Eu vi o Trailer e fique muito impressionado.

Watchmen foi escrita por Alan Moore e desenhada por Dave Gibbons e lançada em meados dos anos 80. É ao lado do Cavaleiro Das Trevas de Frank Miller o divisor de águas na história dos quadrinhos. Depois dessas obras, as histórias de heróis deixaram as mãos dos adolescentes e passaram para as mãos dos adultos também.

Nessas HQs vemos um amadurecimento no contexto do herói. São discutidas: ética, filosofia e sociedade sem deixar de lado o viés fantástico e a ação do mundo dos quadrinhos. Os arquétipos de heróis incorruptíveis davam lugar a personagens mais humanas com dilemas e fraquezas.
A história de Watchmen se passa em um mundo paralelo ao nosso que, inteligentemente, mistura ficção (um mundo com a possibilidade de heróis), com fatos históricos como a guerra do Vietnã e a presidência de Richard Nixon, e como um altera e interfere no outro.

O Foco narrativo começa quando um herói veterano o Comediante é assassinado, e nos é apresentado o Roscharch, um herói amoral e misantropo, mas com um padrão ético bem definido, que acompanhado do Nite Owl, que é uma espécie de batman só que inseguro, investiga a morte do comediante e descobre que não é um caso isolado e sim um ataque sistêmico a todos heróis.
Com uma trama que foi plagiada para o Hero, aquela série mala, os heróis correm para descobrir os tais eventos que podem acabar com a humanidade.
Além dos heróis já citados, outras personagens importantes são:
Ozymandia, um ex-herói almofadinha e milionário que está mais envolvido do que parece.
Dr.Manhatam, o único herói super-poderoso, na verdade um semideus com poderes quase infinitos, o que o afasta e o desinteressa com as coisas terrenas.
Silk Spectre, uma heroína que vive a sombra da mãe, uma es heroína famosa. Ela fará uma ponta de um triângulo amoroso entre o Dr.Manhatam e Nite Owl.

Alan Moore, que ao lado do Grant Morrison e do Neil Gaiman compõem a santíssima trindade dos escritores de quadrinhos, utiliza figuras de linguagem virtuosas para contar a história como: flash backs fragmentados, simbolismos, meta-linguagem e cultura popular e amarra tudo de maneira genial.

Watchmen é mindfuck. Só para ter uma idéia, a revista Time elegeu os 100 melhore romances americanos desde 1923, e adivinha quem está na lista ao lado de Virgínia woolf, Philiph k. Dick, Hemingway, Faulkner e Henry Muller?

Pois é.

Só espero que tenha uma adaptação a altura da sua reputação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário