quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

O Belo E O Grotesco


Francis Bacon (1909/1982), na opinião de Damein Hirst ,foi "o último dos grandes pintores", e talvez o tenha sido mesmo.

Pintor irreverente e obsessivo, mergulhou e retratou o lado "b" da humanidade com extrema violência, como vemos na definição abaixo retirada da Wikipédia:
"Como homem do seu tempo, Bacon transmitiu a ideia de que o ser humano, ao conquistar e fazer uso da sua própria liberdade, também liberta a besta que existe dentro de si. Pouca diferença faz dos animais irracionais, tanto na vida - ao levar a cabo as funções essenciais da existência como o sexo ou a morte; representando o homem como um pedaço de carne."

É impossível passar indiferente por suas telas! Nelas vemos um mundo de máscaras distorcidas com corpos dilacerados e retorcidos, que escondem a harmonia e a beleza do corpo. Para Bacon, "a Beleza escondia-se algures, por detrás de infindáveis máscaras de sofrimento e orgulho, de angústia do sexo, de solidão e terror da morte, de decrepitude e de opulência insolente."

Na sua obra vemos traços cubistas, surrealistas e expressionistas, mas independente de rótulos, pois sua obra foi maior que definições, Bacon foi um artista que olhou para o inferno que existia dentro dele e do homem, e soube transpor como poucos.




Algumas Obras De Bacon



Crucifixion 1933


Figures getting out of a car, 1943



Head I, 1949




Head VI, 1949





Portrait, 1949



Study after Velazquez I 1950



Pope I, 1951




Study for a Portrait, man screaming, 1952





After the life mask of William Blake III, 1955


Figure with Meat, 1954




Head III 1961



Portrait of Lucian Freud, 1965





Four Studies for a Self-Portrait, 1967

Nenhum comentário:

Postar um comentário